Descubra se você continuará recebendo o auxílio emergencial.

Durante à crise econômica no Brasil e no mundo, trazida pela Pandemia da Covid-19, o Governo brasileiro com o intuito de garantir as medidas protetivas para a vida; e garantir a economia do país
Anúncios


Fonte: Google

Implementou o pagamento por meio do programa social, inicialmente, chamado auxílio emergencial para um categoria de brasileiros que atendessem suas exigências. 

Dessa forma, com o pagamento inicial de até três parcelas para assegurar a sobrevida da população, o Governo, em meados de julho de 2020, prorrogou o recebimento de mais duas parcelas, garantindo até 5 parcelas por individuo no valor de R$600,00 mensais.  

Contudo, embora positiva as expectativas na retomada da economia e do crescimento nas atividades econômicas do país, o Governo entendeu que esse cenário não seria vivido tão cedo, dessa forma, se viu obrigado a estender, por mais um vez, o programa, somando o total de 09 parcelas para o pagamento do referido auxílio emergencial, que agora contará com um redução no valor e números de beneficiários. 

Por fim, se você busca informações sobre os valores das parcelas e se ainda encontra-se entre os grupos de recebimento, não se preocupe nosso blog vai te ajudar a entender tudo sobre o assunto. 

Vamos lá!

Sobre o Auxílio Emergencial do Governo Federal ou Coronavoucher 

Fonte: Google

Pensando e criado para atender a população e minimizar os danos causados pela pandemia, o Congresso Nacional, em março de 2020, apresentou um projeto de Lei extraordinário, há época chamado Coronnavoucher, no qual atenderia a população com valores mensais divididos em parcelas; a primeira ideia de valores era entre R$ 300, R$ 400 e R$ 500 mês.

Contudo, após a análise do Presidente e uma quebra de braços entre Congresso Nacional e o Ministério da economia e Presidente, no mês de abril, foi instituído com o nome de Auxílio Emergencial o programa de assistência a população no valor de R$ 600 por parcela.  

O programa seria por prazo determinado e não poderia ultrapassar o valor determinado em virtude do teto de gastos, sob pena do endividamento dos cofres públicos, assim, a data limite para seu encerramento foi de 30 de junho.

Sobre a prorrogação do Auxílio emergencial

Como já antecipado aqui no artigo; o Governo Federal sem expectativas de retomada da economia se viu na obrigação de estender por duas vezes o prazo e parcelas para o recebimento de auxílio emergencial. 

Contudo, segundo o Ministério da economia, o programa passará por uma restruturação em seu valor e grupo de recebimento, ou seja, uma reavaliação do perfil do cidadão deverá dizer se ele continuará ou não recebendo o benefício.  

Quem fará essa reavaliação? 

Todos os beneficiários que já recebem e os inscritos no programa, o Governo estima evitar o pagamento indevido como veem ocorrendo desde a instituição do auxílio emergencial.

Assim, a DataPrev que é o órgão responsáveis por analisar os dados das pessoas que solicitaram o auxílio emergencial, será a responsável por efetuar o levantamento de quais brasileiros permanecem recebendo o benefício e quais serão excluídos.

Como funcionará o pagamento das parcelas?

Como já dito; a DataPrev analisará constantemente o perfil daqueles que já recebem o auxílio emergencial, assim, antes mesmo da liberação do pagamento de cada parcela, o seu perfil será avaliado, caso ocorre qualquer divergência no banco de dados com as novas regras, seu auxílio emergencial será suspenso. 

Quais as possibilidades de suspensão ou bloqueio do auxílio emergencial? 

As novas regras serão listadas abaixo para que possa visualizar melhor: 

  • Formalização profissional 

Os inscritos que possuem vínculo trabalhista com registro de carteira assinada, terão o benefício suspenso. Essa regra já era adotada antes, o que mudou é a possibilidade de estar trabalhando durante o recebimento do auxílio emergencial. 

  • Atente a aumento da sua renda

Se o beneficiário apresentar um novo aumento da sua renda – individual, ou ainda a familiar terá seu benefício cancelado ou suspenso, a regra garante o auxílio emergencial para aqueles que tem renda mensal de R$ 522,50 por pessoal ou a renda familiar total de R$3.135.

  • Obteve a concessão do seguro desemprego

Quem estava desempregado na hora de solicitar o auxílio emergencial, contudo, meses depois obteve a concessão do seguro desemprego, terão seu benefício suspenso ou cancelado, isso porque desde a sua constituição o programa previa essa regra. 

  • Beneficiários de outros programas do Governo 

Quem recebe o benefício por meio de outros programas sociais do Governo Federal, além do Bolsa família, terão o auxílio emergencial cancelado ou suspenso, isso porque o programa não garante a soma de valores, como por exemplo, aposentadoria, Benefício de Prestação Continuada (BPC), entre outros.

  • Avaliação do valor de sua contribuição INSS

Se o valor para pagamento de sua previdência social for maior que o valor de R$522,50 o benefício também será cancelado ou suspenso. 

Gostou do nosso artigo? Quer descobrir mais sobre o auxílio emergencial como valor de suas parcelas e calendário? É só ficar aqui em nosso blog nós temos vários artigos sobre o assunto. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *