Preloader Image 1 Preloader Image 2

Dinheiro e amor, como o casal pode lidar com as finanças.

Quando o casal deve falar em dinheiro, dividir as contas e planejar o futuro. Continue aqui e saiba mais.

amor e dinheiro
Fonte: Google

Dinheiro e amor, tem gente que diz que quem ama, não pensa em dinheiro, só quer amar, como diz a música de Tim Maia canção lançada em 1971. Em um relacionamento, o planejamento financeiro, realmente, não é o assunto mais divertido de um quando se está apaixonado, mas descuidar desse tema pode ter um efeito nada positivo na relação do casal.

A desorganização financeira dos casais é um dos principais motivos de discussões entre casais e a causa de 57% dos divórcios realizados no país nos últimos anos tem sido motivados por problemas de falta de planejamento, levando ao caos financeiro. A informação é de 2018 e foi levantada pelo IBGE, porém, pesquisas mais atuais apontam para a mesma direção.

Um casal com a vida financeira desequilibrada pode gerar angústia e pode chegar até a um estágio depressivo. Ressaltando que muitos divórcios têm início nos problemas financeiros e a falta de planejamento de gastos do casal. Dinheiro pode não ser a base do relacionamento, mas a estabilidade entre dinheiro e amor pode controlar a balança para o relacionamento duradouro.

E ao pensar no prazer em estar juntos no final do dia, e na tranquilidade do final do mês, sem falar na alegria ao concretizar os sonhos e planos dos dois, esse conteúdo traz dicas e informações para que tudo seja perfeito e em comum, sem estresse e sem discussão, para que o casal seja um só, com o equilíbrio financeiro.

Como lidar com dinheiro e amor juntos

Não é necessário falar sobre finanças logo de cara em um relacionamento, porém, é bom ir observando o comportamento do par em relação ao tema dinheiro, veja se a outra pessoa é organizada, se costuma guardar dinheiro, se respeita a situação financeira do outro. Não é necessário perguntar o valor da renda ou as dívidas do outro, mas é possível entender como essa pessoa se comporta com as finanças, como, por exemplo, na hora de dividir a conta do restaurante.

Conta separada ou conjunta, é sempre o pé atrás, isso porque não há uma receita, cada casal tem seu modo para resolver como funciona melhor, afirmam especialistas. Tem casais que juntam todo o dinheiro em uma conta em comum, e daí resolvem a ordem de como pagar as despesas, como investir, o que comprar e dividindo o que resta com despesas pessoais dos parceiros.

No momento que o casal decide morar junto ou planeja construir um futuro junto, é de suma importância fazer um planejamento financeiro para poder ter um orçamento de gastos e dessa maneira saber uma receita, para ensinar fica difícil, valores e despesas que serão direcionados para planos e sonhos futuros do casal, como compra da casa própria, férias e viagens.

Planejamento no relacionamento também é palavra-chave

Minimalismo, casal feliz se abraçando
Fonte: Google

Estabelecer gastos pessoais, quando se fala de dinheiro e amor, como um modelo de mesada é importante que cada um possa ter um valor estipulado para gasto como fazer uma unha, comprar um perfume, uma roupa ou celular que queira e até mesmo um presente para o parceiro, para que possa usar esse dinheiro livre sem a necessidade de fazer gastos a mais ou fora do planejado e com autonomia e individualidade.

Uma boa forma de conseguir guardar dinheiro é quando um se apega aos sonhos do outro e une os planos no relacionamento. Uma ideia é o casal sentar e determinar os objetivos de vida, os da família, bem como os solos. Objetivos o de pagar a faculdade de um filho, comprar uma casa, uma viagem em família ou a dois, realização de uma pós-graduação, trocar de carro, ou a mudança de carreira são exemplos.

Outra coisa importante é que ninguém está pensando no fim de uma relação, porém, isso pode acontecer, seja por motivo de uma separação ou até mesmo pelo inevitável que é o falecimento de um dos dois. Nessa hora, é importante ter ciência dos direitos do companheiro/cônjuge no relacionamento. Um casal que mora junto mesmo sem estar casado é coberto pela legislação do regime de comunhão parcial de bens, onde destaca que tudo o que for obtido a partir do início da relação é dos dois.

Conclusão

Ter objetivos financeiros entre dinheiro e amor é que em conjunto vai não só na organização e estabilidade das finanças do casal, o planejamento do futuro visando os dois lá na frente, com as mesmas metas também vai fortalecer o relacionamento e perpetuar esse desejo de uma vida.

Leave a Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *