Era digital, como seriam os supermercados do futuro?

As compras autônomas já estão fazendo parte do varejo brasileiro e isso deve movimentar a vida do consumidor. Saiba mais!
Anúncios


era digital supermercados do futuro
Fonte: Google

A princípio, a era digital e as startups brasileiras estão transformando as prateleiras de supermercados. A gigante tecnológica Amazon, em 2018, criou a Amazon Go que é uma marca de lojas autônomas, imagina que prático não ter que esperar na fila para levar seus produtos para casa. Desse modo, com um cadastro no aplicativo, o consumidor pode colocar produtos orgânicos, de padaria e até refeições prontas e apenas sair andando, e o aplicativo desconta o valor direto do cartão de crédito.

As câmeras instaladas na loja têm responsabilidade de reconhecer os usuários e suas mercadorias, além de escanear QR Codes pelos smatphones dos usuários. Outras empresas, além da Amazon, também estão de olho na digitalização das compras de itens essenciais. As empresas preferem setores grandes e com oportunidades, e os supermercados se destacaram durante a pandemia do Coronavírus. No ano de 2019, o faturamento dos supermercados brasileiros foi de R$370 bilhões, os dados de 2020 não foram divulgados mas devem ser maiores.

Transformação digital

Pelo Brasil tem 644 startups atuantes no varejo, com soluções que servem para melhorar os processos internos dos comércios e ajudar consumidores com interesse de compra. A primeira tecnologia dos supermercados vem de 1950, com os códigos de barra, que foi a inovação quando automatizaram os caixas, logo depois viriam as maquininhas.

A segunda tecnologia foi a administração moderna com seus sistemas e a terceira tecnologia foi a participação no comércio eletrônico. Tudo isso teve um impulso nos últimos tempos pela ampliação da era digital.

O processo de transformação digital já estava acontecendo, mas com a pandemia essa transformação adiantou vários processos que eram pensados para daqui a alguns anos. Como as pessoas estão em casa o tempo todo, passaram a consumir e interagir com os recursos digitais, é certo de que a pandemia vai passar, mas esses interesses e costumes permanecerão.

Esses starts do mercado digital são inovadores e tornaram muito mais práticos o dia a dia de muitas pessoas pelo mundo, principalmente porque as pessoas estão com receio de sair na rua e contrair o vírus, então as comprar online são uma ótima opção. Confira os próximos tópicos!

Era digital e o futuro dos supermercados

O futuro tecnológico dos supermercados e a simplificação da compra, continua tendo como melhor exemplo a Amazon Go. A sede fica em Seattle e vai demorar ainda para ser desenvolvido no Brasil, mas já estamos dando os primeiros passos nessa direção. Já a aproximação na relação do consumidor com os supermercados avançou muito, antigamente, eram distribuídos selos e pontos para programas de fidelização, porém quase nunca eram usados.

Outro benefício também melhorado é o fluxo de caixa dos supermercados e melhorias no BackOffice. Algumas startups utilizam inteligência artificial, para prever a demanda propícia, fazendo com que os varejistas comprem a quantidade necessária, o que gera economia, ajuda no capital de giro e faz parte da evolução da inteligência artificial.

O varejo do futuro tem como características: cobrança automática, ausência de filas, monitorias nas prateleiras e espaços de conveniência. Algumas gigantes varejistas já adotaram essas características, mas estamos caminhando para que o Brasil e o mundo incluam essas mudanças em suas lojas físicas. Lojas como Walmart e Carrefour usam tecnologias como IA, câmeras de rastreio e uso de blockchain em sua linha de produtos.

Simplicidade das compras na era digital

Em termos de tecnologia, as startups beneficiam os supermercados, com simplificação das compras e consequentemente aprofundam e aproximam a relação com o cliente. Assim, a era digital atingiu os supermercados e trouxe o delivery, que antes ficavam apenas nos aplicativos. Os starts do mercado digital fazem com que os consumidores consigam resolver problemas, fazer compras e supermercado de dentro de casa e quanto mais simples, mais os consumidores agradam.

Eládio Isoppo e Ricardo Fritsche se juntaram a fim de encontrar uma solução que diminuísse as filas dos estabelecimentos, então em 2018 surgiu a Payface, um aplicativo que permite o pagamento através de reconhecimento facial. Dessa forma o consumidor, faz um cadastro de sua face e dados de pagamento, que depois são conferidos pela câmera instalada no caixa e a câmera é ativada somente quando querem pagar com o escaneamento da face.

É incrível ver os novos rumos digital que o mundo está tomando, essas medidas economizam tempo e dinheiro, tanto dos consumidores quanto dos varejistas. Essas mudanças eram impensáveis há alguns anos atrás e hoje muitas pessoas já se acostumaram, então essas inovações só tendem a crescer e progredir.

Aplicativos inovadores

era digital prateleira de supermercado
Fonte: Google

Os supermercados não eram tão adeptos aos aplicativos e viam como um mal necessário, mas atualmente se tornou estratégia. Os diretores de tecnologia interagem diretamente com os diretores de negócios, e surgem decisões das duas áreas. Com as pessoas evitando sair de casa, o contato com o dinheiro e maquininhas de cartão, esses aplicativos cresceram muito.

A Payface, em 2020, cresceu três vezes o número de usuários e para 2021, buscam crescer vinte vezes os usuários cadastrados. Para isso, surgirão parcerias com grandes varejistas, além do lançamento de uma versão de pagamentos com reconhecimento facial para comércio eletrônico, focando na prevenção de golpes. Assim, o app permite a integração as marcas dos estabelecimentos e aos apps, isso é chamado de aplicativo white label.

Outro aplicativo do mesmo segmento, é a Logstore, que simplifica compras e deixa o cliente mais próximo. Nas lojas físicas os usuários acessam um aplicativo que podem acessar as promoções do corredor, além disso, escaneiam os itens e colocam no carrinho. Em seguida um QR Code junta toda a cesta e basta apresentar o QR Code no caixa e realizar o pagamento.

A Zaitt, uma versão da Amazon Go, é um aplicativo que faz com que o cliente só saia da loja depois de pagar. O cliente baixa o aplicativo da loja independente e cadastra os dados de pagamento e pessoais. Escaneia um QR Code para entrar. E assim como na Logstore, pode escanear os produtos pelo aplicativo. Faz o pagamento pelo próprio app, e só depois de confirmado que a porta de saída se abre.

Conclusão

É notório que a era digital chegou e as lojas e supermercados estão se adaptando para acompanhar essas mudanças. Desse modo, atualmente uma empresa/comércio não consegue se manter no mercado sem ser digitalizada, ou fazer parte de uma rede de aplicativos de delivery. O mundo mudou e está caminhando para ser 100% digital.

Esse ramo tecnológico cresceu exponencialmente desde o início do isolamento social, com as lojas automatizando todas as funções o medo das pessoas é o fim do emprego humano. Mas isso afetará apenas aqueles que não estiverem dispostos a se adaptar as mudanças, e os empregos não entrarão em extinção, apenas serão repensados e necessárias novas funções. O mercado digital exige que os profissionais acompanhem as mudanças, para continuarem inseridos no mercado de trabalho.

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com seus amigos, familiares e em suas redes sociais. Em seguida, retorne ao nosso blog e aproveite nosso conteúdo sobre o universo das finanças e investimentos. Esperamos por você! Memivi; melhorando a sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *