10%15%20%25%30%35%40%45%50%55%60%65%70%75%80%85%90%95%100%

Intenção de consumo das famílias: 2021 tem o pior resultado. 

Segundo uma pesquisa realizada pela CNC, 2021 entra para história com a pior intenção de consumo entre os brasileiros. Continue aqui e saiba mais!

Intenção de consumo das famílias
Fonte: Google

De acordo com a pesquisa, a intenção de consumo entre os brasileiros nunca esteve tão baixa. Assim, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, revela que a inflação, os juros altos e as incertezas no cenário político, são alguns dos fatores que contribuíram para o indicador de 71,6 pontos no ano passado.

Logo, fechando o ano com uma queda de 9,9% quando comparado com 2020. Contudo, vale lembrar que a pontuação máxima para o índice é de 200 pontos. Em tempos de crise econômica, uma das principais formas de saber se o cenário atual vai melhorar é através dos indicadores. Assim, para essa demanda serão necessários mais dados do que apenas ficar examinando as taxas de juros, por exemplo.

Contudo, se faz necessário analisar vários indicadores financeiros, entre eles o ICF, para que possamos entender melhor qual o rumo que a economia está tomando neste momento. Mas, você sabe o que é ICF?

Como funciona esse índice? Para que possamos entender melhor vamos conhecê-lo um pouco mais. Sendo assim, a sigla ICF, é a abreviação do Indicador de Intenção de Consumo das Famílias.

A medição desse índice é realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base em pesquisa de opinião dos consumidores sobre situações específicas de sua vida financeira. Contudo, tem a função de mostrar a média da intenção e condições de consumo da população brasileira, seja atual, longo e curto prazo. 

Assim, pode-se dizer que o indicador antecede o consumo, e apresenta um cenário do ponto de vista dos consumidores. Ou seja, ele também é visto como o índice de confiança das famílias, o questionário é feito com os consumidores levando em conta pontos como: capacidade de consumo, renda, nível de consumo atual, compra a prazo, entre outros.

Agora que você já conhece mais um pouco sobre o assunto, vamos falar sobre o porquê o índice de intenção de consumo foi o menor da história em 2021. Por isso, não deixe de ler o conteúdo até o final.

Vamos lá! 

O que causou a falta de perspectiva entre os consumidores 

Entre um dos pontos que contribuíram para essa situação está a alta da inflação, juntamente com juros elevadíssimos. Além disso, tivemos uma baixa no poder de consumo das famílias, porque a renda do trabalhador não subiu praticamente nada.

Ou seja, o custo de vida das famílias subiu consideravelmente, por conta da alta no combustível, energia elétrica e alimentação. Contudo, a intenção de consumo da família tem o pior resultado negativo desde 2016, quando o impeachment de Dilma causou instabilidade política no país.  

Então, segundo a pesquisa, a fragilidade do mercado de trabalho e a diminuição na renda das famílias, também se destacam como vilões para a queda na intenção de consumo no ano passado. Assim sendo, em média cerca de 40,6% dos consumidores entrevistados, afirmam que a renda em 2021, foi menor que no ano de 2020. Ou seja, conforme o país volta a ter uma aceleração inflacionária, as pessoas acabam sentindo o peso no bolso.  

Assim, os produtos ficam mais caros e acabam prejudicando as empresas e pessoas que precisam comprar produtos para produzirem. Dessa forma, torna-se uma reação em cadeia, já que são as indústrias e fábricas que contratam as pessoas e fazem a economia do país girar.

Com isso, a pesquisa aponta que cerca de 31,5% dos consumidores apontam que o mercado de trabalho está menos seguro, com a inflação ficando bem mais difícil para todo mundo.  

A desigualdade entre as classes

Outro dado da pesquisa está relacionado a desigualdade entre as classes familiares. Assim, as famílias mais pobres, de acordo com a pesquisa, registraram a menor intenção de consumo. Assim sendo, a população que recebe cerca de até 10 salários-mínimos revelou uma média de 68,4 pontos de intenção de consumo em 2021. 

Por outro lado, a população que recebem mais de 10 salários-mínimos, também tiveram uma queda no índice, porém, com uma acentuação bem menor, chegando a 86,9 pontos de intenção de consumo.  Assim, segundo o levantamento, desde o dia primeiro de janeiro, após o presidente Jair Bolsonaro ter assinado a MP que reajusta o salário-minimo.

Logo, este aumento de 10,18% em relação ao salário anterior, que era de R$ 1.100 passando para R$ 1.212 atualmente. Com isso, esse pode ser mais um fator que contribuiu para a queda no consumo no ano passado. 

Assim, de acordo com a pesquisa esse fenômeno se modifica, conforme cada região do país. Logo, a avaliação das famílias do Norte apresentou maior queda na média anual, com cerca de 26% da intenção de consumo da população naquela região em 2021 em comparação ao ano anterior. As regiões como Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste, com queda de aproximadamente 10%. Por outro lado, segundo a pesquisa, a população da região Sul, foram as que mais consumiram em 2021.  

Conclusão

Intenção de consumo das famílias
Fonte: Google

Como vimos, diversos fatores contribuíram para esse índice, porém, entre os fenômenos mais comuns estão a alta da inflação e a carga tributária. Assim, com a instabilidade economia do país, faz com que muitos investidores não tenham interesse em investir no Brasil.

Além disso, a crise sanitária agravou ainda mais a situação, causando o alto índice de desemprego no país, afetando assim diretamente a renda das famílias. 

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com seus amigos, familiares e em suas redes sociais. Em seguida, retorne ao nosso blog e aproveite nosso conteúdo sobre o universo das finanças e investimentos. Esperamos por você! Memivi; melhorando a sua vida.