Moedas dos mercados emergentes, a ajuda na crise financeira

Devido ao ciclo de alta nos juros dos bancos centrais nos países desenvolvidos, a Moedas dos mercados emergentes pode ajudar na crise financeira mundial. Fique por dentro!
Anúncios


Moedas dos mercados emergentes
Fonte: Google

Analistas especulam sobre moedas dos mercados emergentes, pode ser a solução para alta na inflação de países desenvolvidos. Pois, na reunião do Federal Reserve-FED as projeções relacionadas a inflação para os próximos dois anos são de alta nos juros, tendo em vista os altos preços no Estados Unidos nos últimos meses, uma das consequências trazidas pela pandemia do novo coronavírus.

À vista disso, muitos investidores seguem ajustando as suas carteiras desde que o Federal Reserve-FED sinalizou que poderá começar a aumentar o juro mais cedo do que os economistas haviam previsto com o objetivo de estabilizar a economia em uma escala global. O Federal Reserve-FED elevou as projeções da inflação pelos próximos dois anos.

Portanto, os economistas começaram a especular sobre a possibilidade de que Moedas dos mercados emergentes possam ajudar nesta situação. Porque existe o receio de que os índices das bolsas sofram mais quedas como por exemplo, o índice Nikkei que caiu 3,29% em Tóquio e em outras partes da Ásia e em Hong Seng houve queda de 1,08 pontos percentuais.

Já nas bolsas de Nova York a queda foi de 0,92% e 1,58% sob o peso dos comentários de um dos dirigentes do Federal Reserve-FED, que informou sobre a ideia de usar Moedas de mercados emergentes e também que o Banco Central Americano iniciou oficialmente discussões sobre o processo de retirada de estímulos à economia, discutem também a possibilidade de usar moedas dos mercados emergentes. Leia mais abaixo!

Desvalorização em meio a pandemia

Desde o início da pandemia do novo coronavírus a economia se tornou vulnerável aos seus efeitos, assim como a economia de países emergentes. Contudo, segundo analistas esta vulnerabilidade não é totalmente uniforme, pois boa parte dos países em desenvolvimento sofreram queda de 2 a 5 pontos percentuais desde o início da pandemia.

As moedas que estão fora da curva são, peso filipino-PHP; won sul-coreano-KRW e dólar taiwanês-TWD dentre outras moedas, se mantiveram com um pouco mais de estabilidade mesmo em meio a pandemia. Muitas moedas emergentes se encontram subvalorizadas, a lyra turca-TRY por exemplo, oferece hoje uma oportunidade de lucro. Entretanto, a transação está em baixa no setor tendo em vista o aumento da deflação global.

Já o peso mexicano-MXN, considerada uma moeda desvalorizada que pode trazer rendimento relativo se compararmos as demais moedas dos mercados emergentes. O índice MSCI responsável por acompanhar este setor mostrou um ganho de 1,5% recentemente. Portanto, muitos economistas seguem montando estratégias esperando ganhos a curto prazo, assumindo o risco de não terem sucesso.   

Moedas dos mercados emergentes

Muitos acionistas que costumam investir na bolsa de mercados emergentes, tem se preocupado bastante com relação a constante desvalorização das Moedas dos mercados emergentes. Contudo, a classe de ativos em desenvolvimento pode ser mais resistente a crise na economia na qual estamos atravessando.

Segundo economistas, os títulos emitidos pelos países emergentes que são influenciados pelo dólar por exemplo, tiveram um desempenho significativo em meio à crise econômica mundial que teve início no ano passado. Porém, conforme a crise foi avançando esses títulos da moeda americana começou a dar sinais de queda principalmente na bolsa. Tendo em vista as especulações de instabilidade econômica e com boa parte dos bancos centrais aumentando os juros, reduzindo a atratividade das moedas dos mercados emergentes.

Entretanto, países como a Índia surpreendeu neste primeiro semestre de 2021, ao cortar os juros com o objetivo de estimular a demanda interna. Segundo analistas apontam, o mercado de moedas emergentes segue com o planejamento de corte nos juros. Sendo assim, dois países se destacam neste setor a Turquia e o México. Já para Tailândia, China e Brasil as projeções são de uma manutenção das taxas até o final do ano.

Moedas dos mercados emergentes
Fonte: Google

Moeda do Brasil

Mesmo em meio à crise financeira, política e o receio de uma provável terceira onda do novo coronavírus e o atraso na vacinação. O real é a 4º moeda emergente com maior valorização no ano de 2021, segundo apontam economistas. O real acumulou nos primeiros seis meses desse ano um ganho de aproximadamente 3,6% em comparação do dólar que a moeda mais influente no mundo hoje.

Segundo a classificação de risco Austin Rating, que é um ranking baseado na cotação do dólar calculada pelo Banco Central, que compara a variação de 120 moedas anualmente o real tem tido uma valorização positiva. Desse modo, a valorização do real diante do dólar só perde quando comparamos as divisas de Moçambique que tem 15,4%; Georgia com 4 pontos percentuais e as Ilhas Seychelles com 33,6 pontos percentuais.

Por fim, segundo um estudo feito por economistas mostrou que a valorização da moeda brasileira pode superar não só o dólar como outras moedas de grandes economias como Reino Unido; Canadá e também outros países em desenvolvimento como Rússia e África do sul.

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com seus amigos, familiares e em suas redes sociais. Em seguida, retorne ao nosso blog e aproveite nosso conteúdo sobre o universo das finanças e investimentos. Esperamos por você! Memivi; melhorando a sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *