Quedas recentes nos preços reforça apetite de grandes empresas por startups 

Com as constantes quedas recentes nos preços das ações das startups; reforça o interesse de grandes empresas nas startups. Entenda!

quedas-de-precos-reforca-startups
Fonte: Google

Com a virada da economia cada vez mais constante, muitas empresas de grande porte como a Locaweb estão de olho nas startups. Essas quedas recentes nos preços das ações de muitas startups, acabou reforçando o interesse das empresas de grande porte. Por exemplo, a empresa de tecnologia Locaweb já adquiriu cerca de 15 startups.  

Atualmente, as empresas que foram compradas pela Locaweb auxiliam do portifólio da empresa que possui sites de gestão de redes sociais, hospedagem e e-mail marketing. Recentemente, a empresa resolveu desacelerar as suas aquisições, pois, segundo a empresa os valores estão irreais, mesmo assim, a empresa de tecnologia enxerga um cenário promissor! 

Ainda nesse contexto, segundo o presidente da Locaweb, Fernando Cirne, as quedas recentes nos preços contribuem para as grandes empresas se interessem pela aquisição de startups. Principalmente, pela virada na economia que acabou fechando a torneira das aplicações, desse modo, o mercado financeiro teve um choque de realidade. 

Portanto, algumas dessas startups estão vendendo as suas ações por valores altíssimos, porém, existem outras startups que estão com as recentes quedas nos preços e, por isso, estão vendendo as suas ações. Porque, os donos dessas empresas acreditam que esse é o momento ideal para vender!  

Número de fundos para investimentos em startup dispara 

Diante da crise no cenário econômico, muitas empresas que ficaram fragilizadas enxergam na compra de startups uma solução para evitar o fechamento. Esse cenário reforça a participação dos fundos criados pelas empresas de grande porte – esse fundo ganhou o nome de CVCs – Corporate Venture Capital para aplicações nessas empresas que estão renascendo. 

Segundo um estudo realizado pela Bain & Company, o número de fundos que foram criados por grandes empresas no país passou para 9, no ano de 2015 por exemplo, esse número passou para setenta e três. Logo, para 2022 segundo o levantamento da consultoria o total de CVCs deverá passar de 100. 

Sendo assim, a projeção para esse segmento é de crescimento conforme a situação da economia brasileira piore. Vale lembrar que, a previsão continua na comparação das aplicações das grandes empresas em relação ao Produto Interno Bruto – PIB. Sendo essa relação nos EUA atingindo 0,45 pontos percentuais. O que é três vezes maior que no Brasil que chegou a 0,14 pontos mesmo com os americanos considerados como referência. Dentre as companhias que decidiram abrir o próprio CVC está a empresa de tecnologia Locaweb. 

Empresas no topo dessa lista 

Segundo uma pesquisa realizada pela consultoria Sling Hub, a rede de lojas Magazine Luiza foi a empresa brasileira que mais comprou startups em 2021. Sendo, onze aquisições em segundo lugar a Méliuz e a Locaweb, as duas empresas com oito aquisições cada uma. Ainda segundo especialistas desde 2018, a liderança ficou mais folgada, isso quer dizer que, a Locaweb realizou 24 aquisições. 

Mesmo liderando a lista, a rede de lojas segue comprando usando o seu caixa, ou seja, sem optar pelo fundo para realizar as aquisições e negociações. Ainda segundo a gerente de relações com os acionistas do Magalu, Vanessa Rossini, as aquisições devem continuar assim. A ideia é buscar companhias que se identifiquem e se conectem ao ecossistema e ao novo modelo de negócios da rede de lojas. 

Vale lembrar ainda que, o volume de aquisições vem chamando atenção do segmento nos últimos anos. Portanto, no momento atual com a queda de 80% no valor das ações nos últimos 12 meses; os acionistas que costumam investir nesse segmento cobram a rede de lojas em relação a quantidade de aquisições. Segundo Vanessa, o Magalu sempre enxergará com bons olhos os bons negócios que aparecem, ou seja, a empresa não se fecha para boas oportunidades! 

Quedas recentes nos preços das ações das startups reforçam o apetite de grandes empresas 

quedas-de-precos-reforca-startups
Fonte: Google

Como mencionei antes, as quedas recentes nos preços acabaram contribuindo para que as grandes empresas aumentem o seu apetite pela aquisição de startups. Umas das causas para o crescimento desse apetite certamente foi a virada na economia que acabou fechando a torneira das aplicações, desse modo, o mercado financeiro teve um choque de realidade! 

Então, boa parte das startups que estão vendendo as suas ações por valores mais altos. Estão de fato aproveitando o momento para lucrar com essas vendas. No entanto existem outras startups que estão desvalorizadas na bolsa, logo, estão aproveitando o atual momento para vender as suas ações.  

Por fim, os especialistas do mercado de varejo afirmam que esse movimento deverá permanecer enquanto a crise durar. Isso quer dizer que, até que a economia melhore as grandes empresas devem continuar comprando as startups. Assim como mencionei, a rede de lojas Magazine Luiza já afirmou que continuará fazendo novas aquisições para expandir o seu portifólio.  

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com os seus amigos e família, depois volte para entender como funciona o universo das finanças. Esperamos por você! Memivi.