Carros usados em SP vão custar mais caro em 2021

Revendedores já sofrem com medida anunciada nas mudanças do redutor da alíquota do ICMS de carros usados.
Anúncios


Fonte: Google

Então, se o ano de 2020 está sendo difícil, para o estado de São Paulo ano que vem pode piorar. Isso por que foi anunciada alterações do redutor da alíquota do ICMS dos carros usados.

A princípio, O setor automobilístico, como muitos outros também sofreu durante a pandemia da COVID-19, desde as grandes fábricas, até as revendas de usados.

Dessa forma, as lojas sem poder abrir, a queda nas vendas resultou em prejuízos para muitos, e os menos preparados tiveram suas portas fechadas.

Com aumento do ICMS dos veículos usados no estado de São Paulo, como sempre, o consumidor final irá pagar a conta. É sobre este assunto que iremos falar.

Comprar um carros usados agora ficou ainda mais caro.

Sobretudo, Para os moradores de São Paulo, e que pretendem comprar um carro usado, saiba que isso irá custar mais caro em 2021.

Isso por conta da recente lei que altera o redutor da alíquota de ICMS para os veículos usados no estado, e que passa valer a partir do dia 15 de janeiro do ano que vem.

Para entender melhor, imagine um carro que custa R$ 30.000,00, veja essa simulação:

DADOS2020A PARTIR DE JANEIRO DE 2021
Veículo (Valor)R$ 30.000,00R$ 30.000,00
% da redução / base de cálculo90%69,3%
Redução / base ICMSR$ 27.000,00R$ 20.790,00
Base ICMS reduzidaR$ 3.000,00R$ 9.210,00
Alíquota ICMS18%18%
ICMS a recolher (valor)R$ 540,00R$ 1.657,80
Fonte: Google

Um provável aumento de mais de 200%; E, pensando que somente no ano de 2019 mais de 3 milhões de veículos foram vendidos em todo estado. Entre vendas particulares, concessionárias, e donos de lojas, um grande volume que também será afetado.

As despesas que lojistas ou concessionárias têm quando compra um veículo, vai além de somente o pagamento do ICMS. Em muitos casos é preciso fazer uma revisão, reparo na pintura, limpeza e a garantia.

Portanto, para essas empresas terem lucro, outras despesas são levadas em consideração e repassadas para o consumidor final.

Quem mais perde com as mudanças de preço dos Carros usados?

Para compra de um carro zero, muitas pessoas, dão o usado na troca e os carros são avaliados pela tabela FIPE.

Mas quase nunca os lojistas pagam o preço da tabela, como citamos, muitos itens são analisados e levados em consideração para que o negócio de fato seja vantajoso, e a tendência é pagar menos no carro do cliente.

Essa parece a solução perfeita, mas geralmente uma pessoa que vende um carro, consulta o valor de tabela e não está nos planos receber menos do que o valor em mente.

Portanto, se o preço do carro for menor do que o esperado, dificilmente o cliente irá aceitar.

O que significa FIPE?

Fonte: Google

É o órgão que mostra o preço médio de um carro.

Alguns estados costumam usar também a Tabela Molicar, que oferece um serviço parecido, porém a Tabela FIPE é mais detalhada e completa.

Mas caso tenha dúvidas, do que concessionárias e as agências de carro leva em consideração ao avaliar e pagar um veículo, basta consultar a TABELA AUTOAVALIAR.

Venda particular

Essa nova medida, não irá atingir apenas o mercado de usados, mas também as vendas de veículos novos.

Com essas alterações o comportamento dos clientes tende a mudar e provavelmente irão tentar vender seus veículos no particular.

No caso, usam meios de divulgação em sites de classificados, anunciam em rede sociais, e até no tradicional cartaz fixado nas janelas.

Contudo, mesmo demorando um pouco mais, a venda particular pode ser uma boa opção para quem deseja economizar.

Conclusão

O argumento usado pelo então governador de São Paulo, para essas mudanças, foi o aumento nas despesas que o estado teve durante a pandemia. É provável que tenha alegado a construção de hospitais, compra de equipamentos e até mesmo a contratação de profissionais.

Outra justificativa foi a diminuição das receitas tributárias em razão do lockdown, muitas empresas deixaram de funcionar.

Então, com acréscimo nas despesas e redução nas receitas, alguma medida deveria ocorrer, e a saída foi mexer nos impostos, neste caso o ICMS.

Por fim, o brasileiro é sempre surpreendido por essas notícias. Dessa forma, não tem opção, a não ser aceitar e arcar com as consequências.

Gostou do artigo? Compartilha com seus amigos, em suas redes sociais e ainda com os seus familiares. Depois leia mais sobre investimento no blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *