Diversidade de gênero nas empresas brasileiras!

Pesquisas mostram que a diversidade de gênero nas empresas brasileiras não chega a 10%, no quadro de funcionários. Fique por dentro!
Anúncios


Diversidade de gênero nas empresas
Fonte: Google

Apesar de ser um assunto frequente nos dias atuais, a diversidade de gênero nas empresas não chega 10% no quadro de funcionários de algumas empresas brasileiras. Segundo um estudo feito por especialistas, revelou que, atualmente apenas a metade das companhias registradas no país possuem uma política de inclusão e diversidade amplamente divulgada.

Ainda segundo o estudo, apesar de todo o trabalho de conscientização que vem sendo feito em todo o mundo e também no Brasil, cerca de 8% dos funcionários que são minoria dentro das companhias brasileiras se declaram negros, pessoa trans e travestis e apenas 3% revelaram ter alguma categoria de deficiência.

Relacionado à percepção de outros trabalhadores sobre a existência da diversidade de gênero nas empresas, aproximadamente 73% dos profissionais relataram que as suas empresas possuem um quadro diverso entre os funcionários que representam minoria.

Contudo, este resultado não condiz com os dados obtidos no estudo, porém, os profissionais que declararam fazer parte de alguma minoria sejam de identidade de gênero, orientação sexual de raça ou pessoa com deficiência são poucos.

Segundo o estudo a diversidade de gênero nas empresas, representam o quanto a percepção de algumas pessoas em relação à diversidade está ligada à sua vivência social e bagagem cultural, ou seja, ainda há um longo caminho pela frente para desmistificar ideologias antigas.

Resultado refletido nas lideranças

Ao fazermos uma análise sobre os profissionais que lideram equipes em algumas empresas, cerca de 55% dos funcionários de algumas empresas no Brasil enxergam diversos líderes em um mesmo quadro de funcionários. Consequentemente é retratada a consciência direta da falta de percepção de que pessoas que façam parte dos grupos minoritários possam ser líderes.

Em uma tradução livre, isto quer dizer que alguns funcionários não enxergam em pessoas que não sejam do sexo masculino o poder de liderar uma equipe. O que acaba dificultando a ocupação de pessoas de gêneros diferentes ao cargo de gestão, informam os especialistas.

É comum para trabalhadores na faixa dos 40 anos, por exemplo, enxergar um líder em uma pessoa que esteja nos padrões, ou seja, um líder que seja do sexo masculino. Por isso, é muito importante que a empresa passe por uma revisão relacionado aos processos de seleção de administradores, para que os mesmos não sejam inclinados a buscar apenas profissionais que se enquadrem na imagem social construída no passado.

Existem justificativas, por exemplo, de que as pessoas negras não têm qualificação para ocupar cargos importantes de uma empresa, está é uma afirmação falaciosa.

Baixa inclusão de pessoas com deficiência.

O estudo ainda revelou que, hoje no país, a inclusão de pessoas com deficiência conta com apenas 33% dos trabalhadores na maioria das companhias brasileiras. Apesar de existir uma obrigação legal para que haja a contratação desses profissionais, poucas empresas estão de fato preparadas para contratar estas pessoas em seus quadros de funcionários.

Porém, é possível reverter esta situação, contudo, deverá haver uma reorganização do ambiente em diversos aspectos, que vão muito além do escritório ou área de trabalho, para poder torná-lo acessível para as pessoas com deficiência.

Existem também questões sociais, pois, mesmo nos dias atuais onde qualquer pessoa tem acesso à informação, graças aos avanços da tecnologia, muitas pessoas ainda acreditam que pessoas com deficiência não podem trabalhar, existem também pessoas que enxergam algumas atividades realizadas por pessoas com deficiência como um ato de heroísmo, supervalorizando quem as pratica, quando, na verdade, estas pessoas querem ser tratadas como um funcionário normal, outra dificuldade muito frequente que as pessoas com deficiência enfrentam está relacionado aos salários muitas vezes abaixo dos outros trabalhadores que são considerados aptos para trabalhar.

Diversidade de gênero nas empresas

Diversidade de gênero nas empresas
Fonte: Google

A diversidade de gênero nas empresas, trata-se da inclusão social de pessoas que são consideradas minoria para ocupar um cargo dentro de uma companhia, seja ela de pequeno, médio ou grande porte.

Na era da informação, apenas 2% dos funcionários de algumas empresas no país, são pessoas com deficiência, apesar de que entre a população brasileira cerca de 24% tem alguma deficiência, segundo dados do IBGE.

Apenas 13% dos cargos de chefia são ocupados por mulheres, que em sua grande maioria recebem 30% a menos, que os homens no mesmo cargo. Entre as pessoas LGBTQI+ este número é ainda menor, cerca de 5%.

Outro ponto que precisa ser revisto, está relacionado a taxa de desemprego e também empregos mal remunerados em relação à população negra, tanto no Brasil como no mundo. Da mesma forma, a maior parte das denúncias à empresas está relacionada a discriminação de pessoas negras.

Gostou do nosso conteúdo? Compartilhe com seus amigos, familiares e em suas redes sociais. Em seguida, retorne ao nosso blog e aproveite nosso conteúdo sobre o universo das finanças e investimentos. Esperamos por você! Memivi; melhorando a sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *