Entenda por que o Ego nem sempre é um inimigo!

Veja como o Ego pode ajudar as pessoas em muitas situações durante a vida, inclusive no crescimento profissional.
Anúncios


Fonte: Google

Ego já teve muitos significados ao longo da história. No entanto, essa é uma palavra que muitas pessoas associam a coisas ruins, mas será que uma pessoa pode ser prejudicada pelo próprio ego? Antes de mais nada, é importante lembrar que ego é uma criação mental, pode se dizer que é o caráter, ou a personalidade de certa pessoa. Além disso, a psicanálise divide o tema em três partes: ID, Ego e Super Ego. 

De forma simples, o ID são os impulsos, desejos, considerado por alguns o lado negativo da mente das pessoas. O Super ego é o oposto, este tem os conceitos morais, os valores, e geralmente impede as pessoas de fazer certas coisas julgadas como erradas. No centro está o Ego, este faz o “meio de campo”, para que as pessoas tenham equilíbrio, visando harmonia de vida.

Além disso, algumas pessoas acreditam que o ego é construído ainda na infância. Ou seja, quando alguma criança tem determinada atitude e os pais ou outros adultos aplaudem dando incentivos; imediatamente a criança entende que seu comportamento foi aprovado.

Por isso, desde pequeno percebemos em algumas pessoas atitudes egoístas, manipuladoras, que se tornam adultos sem a menor empatia pelo seu próximo.  Enquanto no ambiente de trabalho, costumamos dizer que uma pessoa com ego elevado, é aquele arrogante, prepotente, que se julga melhor em tudo que faz.

No entanto, o ego foi mal interpretado e se tornou um grande vilão, quando na verdade pode ser considerado o melhor amigo. Uma vez que agindo de forma isolada, o ego pode ser rápido, instintivo, autocentrado. Além de ser capaz de contribuir para que as pessoas percam o medo diante de algumas situações.

Como o meu Ego pode ser um bom Amigo?

É comum ouvir pessoas e até profissionais dizer que todos precisam acabar com próprio ego, como se fosse destruidor. Talvez até seja! Mas o ego ajuda as pessoas a reagirem rapidamente a situações que pareçam ameaçadoras; e são essas reações que nos mantém protegidos. Entenda: imagine pessoas em um local em chamas, rapidamente todos querem sair para não morrerem. Porém, quando o ego é despertado, alguns ao invés de correr, escolhem ajudar e acaba salvando vidas. Certamente quem age dessa forma não é para mostrar o quanto é superior aos outros.

No ambiente de trabalho é bastante parecido. Visto que toda empresa possui um profissional que age sempre de forma rápida, ajudando os colegas e superiores com que for preciso. No entanto, este tipo de atitude geralmente é mal interpretado e acaba sendo mal visto perante os colegas, quando na verdade o lado bom foi despertado e usado para ajudar. 

Certamente, não se pode generalizar. Pois, existem pessoas que têm algumas atitudes pensadas e não fazem com as melhores das intenções. Mas tudo pode ser a maneira que outras pessoas enxergam. Por exemplo, o comportamento de um gestor que é visto por outras pessoas como arrogância, pode simplesmente ser a maneira de agir devido o cargo que ocupa. Logo, o próprio ego desperta esse tipo de comportamento.

Quando o ego atrapalha

Quando um pai protege seu filho pequeno, ou monitora as redes sociais do adolescente, o sensor do ego é colocado em alerta procurando possíveis perigos. Portanto, essa é uma atitude natural já que a intenção é proteger e cuidar. No entanto, da mesma forma que os pais superprotetores sufocam o desempenho do filho, a hiper vigilância do ego também pode travar o desempenho das pessoas. 

Fonte: Google

Segundo Michele Sullivan, antiga presidente da Caterpillar Foundation, o ser humano precisa aprender a ignorar a vigilância constante do ego; não importa se é bem intencionada ou não. Sullivan disse que precisamos aprender a ignorar este instinto, e sempre lembrar que apenas sobreviver não é o objetivo de nossas vidas.

Além disso, Sullivan afirma que prosperar exige abraçar perspectivas mais amplas sobre outras pessoas, ao invés de julgamentos e ações precipitadas que o cérebro forma à primeira vista. Então, o ego pode ser um grande aliado e servir como incentivo, quando não alcançamos metas grandes, ou simples tarefas no ambiente de trabalho. Logo, ele nos mostra que somos capazes e não há nada que impeça uma pessoa de alcançar seus objetivos.

Conclusão

Quando alguém entende que ter o ego como amigo ou aliado, ao invés de lutar ou tentar ficar livre dele, essa pessoa põe de lado o que quer que seja o seu desempenho. Sendo assim, ao abandonar certas preocupações e cobranças, a pessoa apresentará bons resultados no trabalho, e em outras áreas da vida.

Além disso, cujo momento as pessoas começarem a pensar no ego com mais apreço por intenções como um mentor ao invés de considerá-lo um carrasco, tudo será mais fácil. Sendo assim, deixe o ego ir e vir sem julgar, lutar, ignorar, resistir, personalizar ou se identificar com ele. Logo, o ego irá flutuar para longe, e o seu corpo vai se soltar e você automaticamente sentirá mais clareza, calma e paz de espírito. Então, será mais fácil dominar qualquer desafio que surgir em seu caminho.

Gostou do nosso artigo? Então, não deixe de compartilhar em suas redes sociais, com os seus amigos e ainda com os seus familiares. Em seguida, aproveite outros conteúdos para entender melhor sobre finanças, investimentos e conhecer serviços como, por exemplo; cartões de crédito, conta digital e empréstimo, tudo aqui em nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *