Nubank e PicPay começam a utilizar o sistema PIX

Já pensou em efetuar transações bancárias entre bancos e não pagar nada? O futuro se chama: PIX, entenda como funciona o novo sistema adotados pelos bancos.
Anúncios


Fonte: Google

O sistema PIX está vindo aí e trazendo muitas coisas novas ao mercado financeiro. Enquanto o Banco Central trabalha para colocar o novo sistema de pagamentos imediatos em funcionamento.

Por exemplo, bancos solicitam adesão à plataforma. Entre elas podemos encontrar as fintechs como:

  • Nubank,
  • PicPay
  • PayPal.

Desse modo, se não houver futuras complicações, o PIX entrará em funcionamento no final desse ano, por volta de novembro/2020.

As chances são altas. Afinal, o novo sistema permitirá pagamentos ou transferências de dinheiro praticamente em tempo real. E ainda por cima, funcionando 24 (vinte e quatro) horas por dia, inclusive em fins de semana e feriados.

Funcionalidade do sistema PIX

O PIX é um sistema de transferências de dinheiro e pagamentos imediatos. Desse forma, quando se encontra em funcionamento, permite transações 24 (vinte e quatro) horas por dia, até mesmo em fins de semana e feriados.

No entanto, é bom levar em conta, que essa não é apenas mais uma simples modelo de serviço.

O sistema PIX assegura avanços tão importantes que podem gerar uma mudança em toda a dinâmica do mercado financeiro, em todo o país.

Essa mudança é totalmente necessária. O sistema do mercado bancário brasileiro é um dos mais avançados do mundo.

Porém, mesmo assim, está limitado a métodos e procedimentos de transferências e pagamentos de boletos que já estão ultrapassados.


Por exemplo, já possuímos tecnologia suficiente. Bem como, permitindo o envio de dinheiro em questão de segundos a partir de um só clique, pelo celular.

Sendo assim, não faz nenhum sentido ocorrer uma transação completa depois de horas ou até mesmo dias. Para termos uma melhor noção: é só pegarmos o boleto bancário como exemplo.

Desse modo, fazemos o pagamento deste usando o nosso celular. Porém o pagamento só será realmente feito, dentro de um prazo de um a três dias úteis.

Com o sistema PIX, isso muda. A mesma transação citada no exemplo anterior se deve ocorre na hora. Em outras palavras, quem sabe até de modo mais rápido do que se o pagamento tivesse sido feito por meio do cartão de crédito.

Detalhes sobre o novo PIX

De acordo com o Banco Central, o sistema PIX terá seis características principais. Acompanhe, na sequência a seguir e entenda melhor:

  • Disponibilidade: as operações poderão ser efetuadas 24 (vinte e quatro) horas por dia, até mesmo em finais de semana e feriados;
  • Velocidade: o valor enviado chegará ao recebedor em tempo real (a operação deverá levar mais ou menos 10 (dez) segundos para ocorrer);
  • Conveniência: a experiência do uso deve ser intuitiva para o cliente do sistema;
  • Segurança: as transações serão fundamentadas através da Rede do Sistema Financeiro Nacional – RSFN e terão como base tecnologias de proteção atuais;
  • Ambiente aberto: o PIX estará disponível apenas para bancos como também para financeiras, fintechs e afins;
  • Multiplicidade de casos de uso: o PIX terá transferências de qualquer valor entre pessoas e/ou empresas. Bem como, pagamentos em estabelecimentos físicos ou virtuais e recolhimentos ao Governo Federal, em formato de impostos.

Entenda a adesão ao novo PIX

Se você chegou até aqui ficamos felizes em saber que você se interessou pelo novo PIX, então vamos continuar!

Tendo em vista essa praticidade, muitos bancos e instituições financeiras não estão perdendo mais tempo. O último relatório do Banco Central indica que mais de 100 (cem) empresas já solicitaram adesão ao novo sistema PIX.

Entenda que, além de grandes bancos como:

  • Itaú,
  • Bradesco,
  • Santander,
  • Caixa Econômica Federal
  • E por fim Banco do Brasil,

Existem instituições bancárias médias, pequenas e até fintechs na lista. Entre estas, destacam-se:

  • Nubank,
  • PicPay,
  • Mercado Pago,
  • PayPal,
  • RecargaPay,
  • Iugu,
  • PagueVeloz.

Em circular publicada recentemente, no mês de maio, no Diário Oficial da União. O Ministério da Economia e o Banco Central instituem as regras para adesão ao PIX. Dessa forma, o documento reforça que as instituições cadastradas poderão ter participação direta ou indireta ao novo sistema.

Primeiramente, a participação direta admite que a instituição efetue transações diretamente no Sistema de Pagamentos Instantâneos – SPI, o “motor” do PIX.

Desse modo, bancos de varejo e múltiplos devem, obrigatoriamente, ser participantes diretos. Por sua vez, instituições que tiverem adesão indireta atingem transações no sistema.

Portanto, tendo um participante direto como intermediário. A lista de adesões publicada pelo Banco Central apresenta quais instituições possuem participação direta ou indireta.

A Nubank e PicPay aparecem como participantes diretos, por exemplo; já o RecargaPay, como participante indireto. Vale lembrar também que, por ter proposta muito abrangente, o PIX permitirá transações por meio de código QR ou aproximação por via NFC ou MST. É aí que compreendemos o interesse de instituições tão variadas.

Mas, essas modalidades só deverão estar completamente funcionais no sistema por volta do ano de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *